Arquivo da categoria: política

Caetano cantou na posse da nova presidente do STF Carmem Lúcia

Foi bonito. Caetano é um dos gênios da música brasileira e, sem dúvida, do mundo. Gênio não tem nacionalidade. O evento da posse de Carmem Lúcia foi um pouco diferente do provável protocolo mais sisudo. 

Eu queria que fosse mais sisudo. A ministra assumia, fazia um breve discurso apontando os problemas que vai endereçar em seu mandato à frente do STF e todos ao trabalho. Me incomoda essa presepada que cerca tudo que acontece no STF. É tudo sofisticado e hermético. Fala-se um português só entendível por uns poucos iniciados. Os depoimentos são ricos em citações literárias que pouco têm a ver com o tema que deveria ser o centro das atenções: Justiça. 

E lá foi Caetano cantar na posse da ministra. No meu aniversário ele não cantou. O cachê do nobre artista é altíssimo com razão. Mas ele não cobrou nada. Foi em deferência à amiga. Ou uma gentileza com Sua Excelência a fã. 

Me coça a pergunta: Se Caetano ligar pra Carmem Lúcia para fazer lobby de algum interesse dele ou da classe artística, a ministra atende a ligação? Se tu ligar, ela atende? Será ela mais simpática ao que serve a Caetano? Sei não. Preferia um evento menos cool. Caetano podia enviar uns ingressos de seu próximo show para a Ministra. Ela poderia aceitar, claro, se o valor dos ingressos for inferior ao limite estipulado pelas normas éticas do STF. 

Depois que reli o texto acima, aprendi mais uma coisa: sou ingênuo mesmo. 

Sobre triplexes e sítios 

Acho que abusei no plural de triplex, mas o substantivo ganhou notoriedade ultimamente, alguém ia precisar pluralizá-lo. Fi-lo. Os substantivos do título do post são tipos de imóveis, bens patrimoniais, que as evidências estão apontando ser o ex-presidente Lula o proprietário. O sítio entrou de reforço nas denúncias. Está em nome de sócio do filho de Lula. O metalúrgico foi assíduo frequentador da propriedade. A generosa empreiteira OAS fez obras no sítio. Pagou por cozinha de luxo da Kitchen para a casa de campo do líder do PT. A vinculação de Lula ao sítio cheira mal, mas o fedor mesmo está no triplex de Santos. 

O apartamento foi comprado por Lula numa cooperativa de sindicato que faliu e, por coincidência, só construiu o prédio do presidente metalúrgico. A OAS fez obra monumental (coisa de 800 mil reais) no imóvel que Lula diz que não era dele. Lula visitou o apartamento e sua esposa foi lá várias vezes acompanhando a obra. A OAS comprou a mesma cozinha que foi instalada naquele sítio do começo da história. O casal Lula pulou fora do negócio registrado com a cooperativa quando a imprensa começou a xeretar as condições da transação. A essa altura, a OASja era dona do empreendimento. A construtora aceitou romper o negócio é devolver o dinheiro investido pela esposa do presidente cinco anos depois de vencido o prazo padrão a que os outros pretendentes foram submetidos. 

Tá tudo estranho. Parece que o cerco está apertando. Ainda não merece prisão, mas o cheiro começa a incomodar. Aguardemos. Vale a frase de Elio Gaspari, em O Globo, de 03.02.2016:

Certezas, cada um pode ter as suas; sentenças, só quem produz é a justiça.      

Advogados atuando na operação Lava-jato enfim mostram serviço

Os advogados que defendem os envolvidos na corrupção desbaratada pela Operação Lava-jato resolveram agir. A coisa não vem andando como o esperado. Os bacanas pagam uma grana preta aos melhores advogados (sem dúvida, os mais caros) e continuam enjaulados como canarinhos. Só saem quando decidem abrir o bico e cantarolar os nomes e ações dos outros envolvidos. Os clientes devem ter começado a se perguntar se a grana que eles tão dificilmente colheram na distribuição de propina estava sendo bem empregada. Os advogados se assustaram. Como continuar a manter o “ganha-brioche”? A prosaica solução foi cobrar em matéria paga nos jornais uma atitude mais benevolente da equipe de procuradores e juízes da Lava-jato. O texto do esperneio podia ter começado assim: “Não era esse o combinado!”

Ficou meio ridículo o choro dos defensores de personagens de honestidade ilibada do quilate de Nestor Cerveró, Delcidio do Amaral, Eduardo Cunha, Renan Calheiros e outros. Mas eles agiram bem. Como não podem fazer mágica, livrando essa turma da cadeia, eles optaram por mostrar aos clientes que estão pressionando para ter alguma moleza nos processos. Os presos (atuais e futuros) estão agora mais tranquilos com a destinação dos milhões amealhados no trabalho duro por eles perpetrado em prol do desenvolvimento do país.

Fica minha opinião quanto ao rigor com que a PF e Ministério Público têm apertado os membros da quadrilha: “Eu acho é pouco.”

Chico Buarque pode ter a opinião dele

O artista foi interpelado na rua por seu apoio ao governo atual e ao PT. Alguns jovens cobravam dele o reconhecimento de que o partido tornou-se uma quadrilha. Não parece tão descabida a resistência de Chico. Ele argumentava na discussão que “o PSDB é bandido”. Talvez esteja aí a desilusão de Chico Buarque. Os partidos brasileiros são todos parecidos. Para ele, o PT ainda é uma opção “menos ruim”. É razoável.

Eu discordo de Chico Buarque. Sou ingênuo. Continue lendo Chico Buarque pode ter a opinião dele

Alguém pode ajudar a presidente Dilma?

Ajudem esta senhora. Informem a ela que o processo de impeachment não se deve a ela ter contas no exterior. Esse problema é do ex-aliado Eduardo Cunha. O crime que ela cometeu foi gastar o dinheiro que o governo não tinha para enganar a população, como se as contas e a economia estivessem as mil maravilhas. Por que ela teima em falar do problema de Cunha? Uma hipótese é que continue praticando a enganação do povo. Os menos atentos podem confundir que as acusações são sobre sua honestidade, sobre ela ter roubado pra si. Não são. Se ela roubou, eu não sei. Quase toda a cúpula do Partido dos Trabalhadores já foi acusada, julgada e estão cumprindo pena por ações que genericamente configuram “roubar”. A polícia está chegando na família do ex-presidente Lula. Por enquanto, sobre ela não apareceu nada. Só está comprovado que é uma gerente incompetente. Sua grosseria no trato pessoal não se repetiu no cuidado forte com a coisa pública. Deixou roubarem na Petrobras como uma mocinha ingênua. Foi incompetência ou conivência. Escolham. 

Enfim. Fatos do momento. Até agora Dilma não foi identificada como beneficiária de dinheiro de propina enviado para o exterior. Parece que o dinheiro que o PT roubou não ficou em seu nome. Mas informem a confusa (que talvez prefira confundir a todos) presidente que ela está sendo acusada de fazer despesas excessivas para garantir sua reeleição. Isso é crime. E os indícios são fortes de que a atribulada senhora, no afã de ganhar eleição, gastou o que os brasileiros não tinham. 

FGTS para as domésticas ajudou na decisão: está demitida!

Demiti a empregada. 

Lindo. O governo, sempre atento a melhorar a qualidade de vida do povo brasileiro, criou lei obrigando os empregadores a pagar  FGTS para suas empregadas. Eu pagava salário na carteira para uma empregada no regime de trabalho três dias por semana. A implantação desse direito das empregadas domésticas sai caro. Fica difícil negociar com as empregadas. São, em geral, pessoas humildes, que são adestradas para considerar que FGTS é um direito delas, que deve ser acrescentado ao salário. Infelizmente não é. Trata-se de mais um custo para o empregador. Convencer a empregada que ela deve aceitar diminuir seu salário para terFGTS é tarefa árdua. Talvez se o FGTS fosse opcional, patrão e empregada negociando sua aplicação, a coisa fosse mais razoável. 

Além do provável aumento do custo da empregada doméstica, a implantação da lei que trata do FGTS e outras vantagens é uma tragédia burocrática, com várias parcelas de impostos e seguros, que exigem utilização de um site (que até hoje não funciona direito). Sou zeloso do uso do meu tempo. Não quero perdê-lo seguindo os processos infernais inventados pelos sábios de nosso legislativo. 

O governo fica bem na fita. Cria um novo “direito” para as domésticas. De quebra, vai fazer caixa com os depósitos do FGTS, que será remunerado a míseros 3% ao ano.

O governo me ajudou a resolver. Demiti a empregada e passei para o modelo de diarista duas vezes por semana. Menos uma carteira de trabalho no Brasil.