Todos os posts de Alan Baites

Iphone com bordas curvas. Essa é a novidade? Não exatamente. 

As inovações em softwares e funcionalidades agregadas aos equipamentos exigem mudanças nos modelos em operação. Em março ou abril de 2016, a Apple lançará versão melhorada do iPhone, o modelo chamado 5se (special edition). Trata-se de um upgrade do iPhone 5s, um modelo de sucesso  que merece sobrevida. 

O processador e o bluetooth terão as versões mais modernas usadas no iPhone 6. Para permitir aplicações do Apple Health, o celular terá um barômetro para medir altitudes. Também haverá um chip específico para o uso do Apple Pay. A câmera será a mesma de 8 megapixel do iPhone 6 com recurso de fotos panorâmicas. 

No design, o que diferenciará a novidade serão as bordas arredondadas como na família 6. Aos poucos o iPhone 5s será retirado e o iPhone 5se ocupará seu lugar. E vida que segue. 

Veja artigo fonte em 9TO5Mac

Qual seu perfil de uso da Internet?

Qual é o sistema operacional do seu celular? Qual e-mail você usa? Em que nuvem guarda seus dados? Onde ficam suas fotos?

Hoje, rola uma briga radical (briga de foice no escuro) entre os grandes fornecedores de soluções para o mundo digital. A lista de serviços que podemos destacar é grande. Quase podemos viver na internet fazendo de tudo atrelados a um grande fornecedor. Podemos usar somente Microsoft, Google ou Apple. Ou ficar dentro do meio-ambiente do Facebook. A questão é saber se você é um Google-boy (ou Google-girl), ou se é um amante insistente na Microsoft, ou se é um adorador fashion da Apple.

Vejamos quais escolhas pode-se fazer e quais aquelas que eu fiz. Continue lendo Qual seu perfil de uso da Internet?

Proteção de iPhone que não protege, quebra

Mensagem: uma capinha de celular muito rígida pode empenar a tela. 

A vida digital é difícil. Todo dia temos que aprender mudanças nos sistemas operacionais, nos novos smartphones, novos aplicativos, uma ciranda. Mas o que aconteceu comigo foi mais prosaico. A placa de vídro, na verdade, a placa transparente onde acionamos os comandos com toque empenou. A questão é por que e como?

Fiz uma viagem de carro, usei o iPhone para ouvir Apple Music conectando ao som do carro por uma USB. Algum pouco sol pegou no iPhone, que estava no portatreco do painel. O sol não teria sido suficiente para deformar a placa transparente do equipamento.

Resumindo a história. Acho que o iPhone esquentou ligado, tocando musicas e carregando na USB. O problema é que o protetor do meu celular (a capinha) é feito de material rígido que não aparenta deformar. Com o calor, a placa quis dilatar e foi contida pelo “case”. Tem todo o jeito de ter sido isso.

Chato ter que trocar de celular agora. O iPhone 5 ainda tava funcionando bem. Um novo iPhone 6 sai por uns três mil reais num plano da Vivo. Usuários de Apple têm custos caros.

Windows 10, a aventura da migração a partir do Windows 8

A Microsoft continua com a prática de fazer um produto ruim e corrigir na versão seguinte. A eficiente versão XP foi seguida da trágica Vista. O Windows 7 resgatou a qualidade com um sistema operacional que funcionava. Veio o Windows 8, feito às pressas para entrar no mundo da mobilidade, o sistema da Microsoft ficou infernal para quem usa o micro para fazer mais do que ver fotos e ouvir músicas. A gigante adormecida trouxe, então, o Windows 10. Parece que ficou melhor que o Windows 8 (também isso era fácil).

Tenho um Notebook Dell novinho, processador Intel Core i7, 8 GB, um bom equipamento. A instalação parecia tranquila. O processo é super amigável. A Microsoft adotou uma interaçao coloquial com o usuário. Lá pras tantas o sistema avisa: “estamos fazendo mais umas coisas”. E completei minha primeria tentativa de instalação. O Windows 10 começou a funcionar. Até hoje não tenho certeza, mas eu fui trocar o antifirus McAffee pelo Ad Aware. Deu tilt. Continue lendo Windows 10, a aventura da migração a partir do Windows 8

Como Yahoo não comprou Facebook

In the Valley, Yahoo is infamous for the string of deals it didn’t do. The worst one: Facebook. In the summer of 2006, Yahoo had a handshake deal to buy it for $1 billion. Semel decided to offer $850 million instead, according to a former executive, and Mark Zuckerberg, who hadn’t really wanted to sell, took that as his opportunity to walk away.

(Vanity Fair)

Que tal um relógio programável?

Pebble é um relógio de pulso com uma tela no lugar do clássico display redondo com ponteiros ou os tediantes painéis digitais. A novidade é que pode ser ajustado tanto quanto a forma do mostrador das horas, como para executar outras tantas funções incomuns para encontrar em um relógio de pulso. Alem de permitir fazer download de diferentes telas do relógio, é possível baixar aplicações desenvolvidas especialmente para o reloginho.

Como a demanda está muito grande, a empresa está tendo problemas de logística para entregar seu produto, que custa redondos US$150. Pebble ocupa um nicho deixado de lado por fabricantes de relógios e pequenos celulares, que poderiam ter criado uma tela de uma polegada para ser “customizada” ao gosto do freguês.

(de Bloomberg, cavado em Digg)