Arquivo da tag: sociedade

e eu não conheço Michel Teró

Acreditem! Nunca ouvi o afamado hit ‘Ai se eu te pego’. Coitado! – diriam alguns. Sorte minha! – digo eu. Escapei dessa. O motivo da minha saudável ignorância pode ser não participar de festas do momento, em que a música deve ser tocada. É a concessão à mediocridade popular. Chego a consigo ler sobre o fenômeno musical (?). Mas perseverei em manter a condição de inviolabilidade de meus ouvidos a essas novidades da temporada. Talvez esteja perdendo o nascimento de uma estrela. Prefiro correr o risco. Como benefício, mantenho intocável minha fama de intratável. De todo jeito, desejo todo o sucesso ao rapaz.

temos medo de sair às ruas com câmeras fotográficas

É uma característica do brasileiro nos centros urbanos. Temos a certeza de que estamos sempre sendo observados como alvos potenciais para um assalto. Uma câmera, em particular as DSLR mais chamativas, é o típico objeto de interesse dos assaltantes de rua. Dá medo sair com uma na rua. As vendas de câmeras parecem evidenciar o receio do brasileiro de sair às ruas com máquinas mais vistosas. Matéria do site G1 mostra que no Brasil só 1% das máquinas vendidas estão na faixa das DSLR. No mundo, este percentual está em 10%. Um fato que comprova a paranóia dos usuários das câmeras fotográficas maiores é apreciado quando se vai, por exemplo, a pontos turísticos onde a segurança é maior. O Jardim Botânico do Rio é um caso desses. Por lá, como de repente, aparecem vários fotógrafos portando seus equipamentos mais sofisticados. No Centro da cidade do Rio de Janeiro, quase não se vê os ousados fotógrafos. Continue lendo temos medo de sair às ruas com câmeras fotográficas

Ridícula polêmica em torno de anúncio de Gisele Bündchen para Hope

à direita: nossa sugestão para o uso da figura feminina nas publicidade nacional

Por que dar espaço para pessoas reclamarem de uma propaganda engraçada, que brinca com o poder das mulheres em usarem sua beleza para negociar com seus parceiros? Patético! Gisele é uma das mulheres mais bem sucedidas do mundo. O anúncio é uma brincadeira com as clássicas negociações que acontecem nas relações. Mostrar Gisele, mesmo que rapidinho, é um colírio para os olhos (a essa altura, já posso ser enquadrado como sexista). Foi uma brincadeira de bom gosto. Mau gosto é ver pessoas com a cabeça mal resolvida se aproveitarem da peça de propaganda para aparecerem. Continue lendo Ridícula polêmica em torno de anúncio de Gisele Bündchen para Hope

Aula de Religião nas Escolas Públicas

A Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro aprovou a criação de 600 cargos de professores de religião. Bem que podiam usar esse dinheiro para aumentar o salário dos professores de matemática. Como sou ateu praticante, vejo essa iniciativa como um belo desperdício. Vão encher a cabeça de crianças com superstições do tipo “Deus criou o céu e a terra…”. Coitados dos pimpolhos. Um deputado do Partido Comunista conseguiu incluir um aditivo obrigando as escolas a informarem que as aulas de religião serão facultativas. Uma maravilha viver num país que joga dinheiro fora em atividades facultativas. Que Deus nos ajude!

tá na hora de tirar a Estação do Corpo da beira da Lagoa

Já que o prefeito Eduardo Paes assumiu que não tem cabimento ocupar uma área de vocação pública por uns poucos que pagam para se associar ao clube Estação do Corpo, aproveito para me juntar ao nosso alcaide. Foi uma vergonha privatizarem aquela valiosa área da beira da Lagoa. Depois de ser usada por boates e restaurantes, ocuparam logo uma área grande para criar o clube dos bacanas. Os cariocas ficaram com menos uma área de lazer belíssima. Vamos brigar para que o fim da concessão que acaba em 2012, seja respeitado. Quero de volta a orla da Lagoa.

cadê minha cota?

As cotas proliferam. Tem cota pra tudo. Cota para negros, mulheres, pessoas com necessidades especiais. Trata-se de incontinência cotista. O tema me incomoda. Tenho noção das disparidades de nossa sociedade. As diferenças de salário em nosso país são enormes. As oportunidades também são diferentes. Mas criar cotas não me parece a maneira de melhorar a situação. Acredito que o governo utiliza essa prática para se eximir das responsabilidades de gestão que lhe cabem. Por exemplo, ao invés de criar boas escolas, pagar bem os professores, destinar verba para a educação, o governo dá uma de bonzinho e distribui vagas para determinados grupos. O procedimento me parece inconstitucional. Afinal, tem um preceito em nossa Carta que fala de direitos iguais. Continue lendo cadê minha cota?