Claudio Urubu

Morreu Cláudio Urubu. Quem sabe sabe. Seu nome era Cláudio Azeredo. Muitas notas na relatam sua saída de cena. Eu alimentava a esperança de ir a Miguel Pereira para jogar conversa fora com o amigo de juventude. A ideia foi adiada tantas vezes. Não fui. Não vai rolar.

Cláudio era uma figura. Os relatos destacam suas composições em parceria com Raul Seixas. Foram cerca de trinta músicas. Adoro “cowboy fora da lei”, mas Cláudio foi mais que isso. Talvez tenha sido a justa definição do maluco beleza ou um verdadeiro porra louca.

Cláudio tinha característica marcante. Entrava de cabeça no que fazia. Não veio de brincadeira. Fez escola de educação física. Era quase um atleta. Faixa verde de karatê, era bom professor. Deu aula pra mim e outros da Turma do 80. Dominava os katas. Os executava com perfeição. Tinha um pastor alemão super treinado. Por quem? Por ele. Bonito de ver quando o cão encostava no dono para atravessar a rua. Íamos no Jardim de Alah para Alfie (seria esse o nome?) correr e gastar as unhas. 

Cláudio pintava miniaturas e tecidos. A garrucha de plástico pintada por ele parecia de verdade e fazia bom papel numa decoração de parede. Não era bom em esportes com bolas. Gostava muito do vôlei, mas não teve o amor correspondido. Era bom para movimentos bruscos. Lhe faltava a leveza para controlar a bola. Tinha competência no xadrez. Quantas vezes não montamos uma mesa de areia na praia do Leblon para jogar num tabuleiro improvisado. Tinha voz poderosa. Era um show de anarquia ele entoar trechos do Barbeiro de Sevilha na madrugada da Afrânio. Bom parceiro na sinuca da praça General Ozório. Não tínhamos dinheiro. A sinuca era diversão certa e barata. Algumas idas ao banheiro para cheirar algum estímulo lhe davam confiança no taco, mas pioravam seu jogo. A sinuca era seguida do protocolar caldo de cana vendido na esquina da Pirajá com Jangadeiros. Era o que bastava. A grana ou a falta dela geravam boas oportunidades para inventar o que fazer. Uma caminhada conversando do Leblon ao fim da Ipanema funcionava como programa da noite.

Era um bom companheiro.  Que não se esperasse dele comedimento. Liderava a ousadia nas aventuras na Zona Sul. Era um anarquista. De carro, aprontávamos nas madrugadas. Era criativo. Por que não roubar gasolina dos tanques dos carros estacionados se bastava introduzir um tubo no tanque e sugar o combustível para uma garrafa plástica? Mexer com as meninas nos pontos de ônibus? Outras maluquices beleza menos confessáveis foram perpetradas. Um quibe com coca-cola no fim de noite num boteco da Prado Junior ou um pedaço de pizza na Guanabara forravam o estômago antes de ir dormir. 

As drogas rolavam. Num verão, a maconha sumiu do mercado, substituída pelo pó, oferecido a preço de ocasião. Eu estava em sua casa quando o pessoal experimentou a primeira carreira. Depois desse verão, as experiências esporádicas com Mandrix e ácido deram lugar ao mercado robusto da branquinha. Cláudio foi fundo nesse formato.

Nossos contatos foram minguando. Eu era o CDF fazendo engenharia da PUC e ele investia forte na criação musical. Cláudio competia com Paulo Coelho na posição de parceiro do Raul.

Cláudio se exilou em Miguel Pereira. Uma vez nos encontramos e me mostrou que lhe faltava um dos dentes da frente. A explicação: uma égua arredia lhe retirara o dente com um coice. Nada de excepcional. Notícias cada dia mais esparsas davam conta que estava criando galos de briga. Como era de seu feitio, acredito que seus animais eram os melhores treinados.

Depois disso, só o contato mais recentes com vídeos de YouTube tratando do roqueiro beleza recluso em Miguel Pereira. E veio a surpresa previsível.  Um problema no coração, uma cirurgia, dificuldades posteriores e Cláudio se foi. Que merda, não fiz a planejada viagem a Miguel Pereira.

Qual a chance de todos os dias do ano você ter amigos que fazem aniversário?

Não esquecer os dias dos aniversários dos amigos é regra de etiqueta a ser seguida. Uma pessoa com rede de relacionamentos de algum porte deve lembrar de cumprimentar seus amigos aniversariantes do dia. Preocupado em não deixar furos, venho preenchendo a informação dos dias dos aniversários dos meus contatos. Sou bastante liberal. Acrescento filhos de amigos, conhecidos, qualquer um que decline sua data de aniversário e tenha um mínimo potencial de ser importante na minha vida. As vezes dou entrada na lista de contatos apenas com nome e data de aniversário. Todo dia, meu calendário informa os aniversariantes da data. Transformei tudo num jogo (o importante é gamificar os processos, não é?) cujo objetivo é eu ter o máximo número de dias do ano com conhecidos fazendo aniversário nessas datas. Continue lendo “Qual a chance de todos os dias do ano você ter amigos que fazem aniversário?”

Caetano cantou na posse da nova presidente do STF Carmem Lúcia

Foi bonito. Caetano é um dos gênios da música brasileira e, sem dúvida, do mundo. Gênio não tem nacionalidade. O evento da posse de Carmem Lúcia foi um pouco diferente do provável protocolo mais sisudo. 

Eu queria que fosse mais sisudo. A ministra assumia, fazia um breve discurso apontando os problemas que vai endereçar em seu mandato à frente do STF e todos ao trabalho. Me incomoda essa presepada que cerca tudo que acontece no STF. É tudo sofisticado e hermético. Fala-se um português só entendível por uns poucos iniciados. Os depoimentos são ricos em citações literárias que pouco têm a ver com o tema que deveria ser o centro das atenções: Justiça. 

E lá foi Caetano cantar na posse da ministra. No meu aniversário ele não cantou. O cachê do nobre artista é altíssimo com razão. Mas ele não cobrou nada. Foi em deferência à amiga. Ou uma gentileza com Sua Excelência a fã. 

Me coça a pergunta: Se Caetano ligar pra Carmem Lúcia para fazer lobby de algum interesse dele ou da classe artística, a ministra atende a ligação? Se tu ligar, ela atende? Será ela mais simpática ao que serve a Caetano? Sei não. Preferia um evento menos cool. Caetano podia enviar uns ingressos de seu próximo show para a Ministra. Ela poderia aceitar, claro, se o valor dos ingressos for inferior ao limite estipulado pelas normas éticas do STF. 

Depois que reli o texto acima, aprendi mais uma coisa: sou ingênuo mesmo. 

mídia social é um fórum para a “estupidez”, diz Herzog

Werner Herzog não gosta de mídias sociais. Eu também! Diz ele: “My social media is my kitchen table. My wife and I cook and we have four guests maximum because the table doesn’t hold more than six.”

Esse post é tão pequeno que é quase um tweet. 

Chico Buarque pode ter a opinião dele

O artista foi interpelado na rua por seu apoio ao governo atual e ao PT. Alguns jovens cobravam dele o reconhecimento de que o partido tornou-se uma quadrilha. Não parece tão descabida a resistência de Chico. Ele argumentava na discussão que “o PSDB é bandido”. Talvez esteja aí a desilusão de Chico Buarque. Os partidos brasileiros são todos parecidos. Para ele, o PT ainda é uma opção “menos ruim”. É razoável.

Eu discordo de Chico Buarque. Sou ingênuo. Continue lendo “Chico Buarque pode ter a opinião dele”

Atacar Taís Araújo. Isso é coisa de enrustido.

A atriz Tais Araujo não é negra. Ela é linda. Um espetáculo. Um bando de vadios gastarem seu tempo para sacanearem a menina configura mais que racismo, é falta de apreço por mulheres. Levanto a hipótese que talvez esse grupo seja formado por rapazes com problemas. Suas atitudes podem ser motivadas pela dificuldade em assumir sua florescente homossexualidade. A pressão para se esconder no armário está ficando fora de moda, mas algumas pessoas se auto-reprimem. O processo de sublimar os impulsos desencadeia distúrbios de maior ou menor agudeza. Atacar a moça, que é absolutamente bonita, é combinação de grosseria com pouco interesse pelo sexo oposto. 

Foi boa atitude da atriz de dar queixa na polícia. Os racistas devem ser responsabilizadas. Psicanaliticamente falando, eles devem desejar o castigo. Faz parte da síndrome. Como conselho aos doentes, recomendo que deixem essas práticas criminosas (racismo é crime) e libertem seus impulsos. Que tal iniciar trocando mensagens amorosas e carícias entre os membros do grupo ?