Arquivo da categoria: política

Distribuir renda alterando alíquotas de imposto de renda

Tempos de eleições exacerbam a criatividade dos candidatos. Uma das propostas que surgiram nas campanhas de 2018 foi a isenção do imposto de renda para pessoas com renda mensal até R$5.000,00. A ideia é populista e visa diretamente ganhar votos do pessoal de menor renda. É populista pois uma isenção de pagamento de impostos reduz a arrecadação, que já é um problema fiscal do governo brasileiro. E como seria coberta a redução dos impostos? Pergunta tão óbvia não foi respondida. A origem da quantia para repor a renúncia fiscal apresentada não fez parte do discurso dos candidatos. Continue lendo Distribuir renda alterando alíquotas de imposto de renda

Presunção de Inocência no Brasil

Acho que entendi. No Brasil é assim. Você começa roubando e deve juntar dinheiro para dar propina e continuar solto roubando. E você vai subindo na cadeia alimentar da canalhada. Quando você é bom mesmo na roubalheira, você entra para a política e passa a roubar os votos dos incautos brasileiros. Se você exagerar, a fama pode levá-lo a ser julgado num Supremo Tribunal. Nesta mais alta corte, um bando de palhaços togados que você mesmo indicou vão retribuir a gentileza e praticar contorcionismos chineses no picadeiro do tribunal para justificar que você não deve ser impichado pois foi eleito pelo povo, que, aliás, foi manipulado pelo dinheiro da propina que você eficientemente distribuiu. Daí, de presumidamente inocente, você passará a inocentado, podendo continuar sua profícua carreira criminosa. Os ladrões são todos inocentes. 

Homem do Ano Polemikos 2016

De vez em quando, lembramos de premiar um homem que se destaca, em geral, se debandando para o lado negro da Força. Sabem quem ganhou em 2013: Renan Calheiros. Sensacional! O ato síntese do seu prontuário naquele ano foi usar avião da FAB pra ir fazer implante de cabelo.

Mas eis que estamos encerrando 2016, um ano prenhe de mau-caratismo. Foi pródigo na canalhice. Tivemos o espetacular Eduardo Cunha, que brilhou o ano todo, mas cuja estrela se apagou quando foi fazer seu retiro enjaulado em Curitiba. Teve Lindinho se batendo pra salvar Dilma. Lula tentou aparecer dizendo que a Lava-jato tirou muitos empregos. O ministro Dias Toffoli fez um pedido de vistas que quase o levou para o pódio. A lista é grande. Mas Renan é muito competitivo. Não podia deixar barato. No final do ano, passou a perna nos concorrentes. Driblou até o pessoal do STF que vinha correndo por fora. Continue lendo Homem do Ano Polemikos 2016

Trumpism…

The Los Angeles Times’s, Vincent Bevins wrote that “both Brexit and Trumpism are the very, very wrong answers to legitimate questions that urban elites have refused to ask for 30 years.” Bevins went on: “Since the 1980s the elites in rich countries have overplayed their hand, taking all the gains for themselves and just covering their ears when anyone else talks, and now they are watching in horror as voters revolt.”

Caetano cantou na posse da nova presidente do STF Carmem Lúcia

Foi bonito. Caetano é um dos gênios da música brasileira e, sem dúvida, do mundo. Gênio não tem nacionalidade. O evento da posse de Carmem Lúcia foi um pouco diferente do provável protocolo mais sisudo. 

Eu queria que fosse mais sisudo. A ministra assumia, fazia um breve discurso apontando os problemas que vai endereçar em seu mandato à frente do STF e todos ao trabalho. Me incomoda essa presepada que cerca tudo que acontece no STF. É tudo sofisticado e hermético. Fala-se um português só entendível por uns poucos iniciados. Os depoimentos são ricos em citações literárias que pouco têm a ver com o tema que deveria ser o centro das atenções: Justiça. 

E lá foi Caetano cantar na posse da ministra. No meu aniversário ele não cantou. O cachê do nobre artista é altíssimo com razão. Mas ele não cobrou nada. Foi em deferência à amiga. Ou uma gentileza com Sua Excelência a fã. 

Me coça a pergunta: Se Caetano ligar pra Carmem Lúcia para fazer lobby de algum interesse dele ou da classe artística, a ministra atende a ligação? Se tu ligar, ela atende? Será ela mais simpática ao que serve a Caetano? Sei não. Preferia um evento menos cool. Caetano podia enviar uns ingressos de seu próximo show para a Ministra. Ela poderia aceitar, claro, se o valor dos ingressos for inferior ao limite estipulado pelas normas éticas do STF. 

Depois que reli o texto acima, aprendi mais uma coisa: sou ingênuo mesmo.