cadê minha cota?

As cotas proliferam. Tem cota pra tudo. Cota para negros, mulheres, pessoas com necessidades especiais. Trata-se de incontinência cotista. O tema me incomoda. Tenho noção das disparidades de nossa sociedade. As diferenças de salário em nosso país são enormes. As oportunidades também são diferentes. Mas criar cotas não me parece a maneira de melhorar a situação. Acredito que o governo utiliza essa prática para se eximir das responsabilidades de gestão que lhe cabem. Por exemplo, ao invés de criar boas escolas, pagar bem os professores, destinar verba para a educação, o governo dá uma de bonzinho e distribui vagas para determinados grupos. O procedimento me parece inconstitucional. Afinal, tem um preceito em nossa Carta que fala de direitos iguais. A coisa vai além disso. Se você começa a diferenciar, o processo não pára e o preconceito se agrava. A caracterização de negros e brancos é danosa, cria divisões entre os cidadãos, agravando os preconceitos. Perguntar para uma pessoa qual sua cor para colocar num formulário, acenando com a possibilidade de lhe oferecer alguma vantagem por ser minoria, é uma forma grosseira de estragar um cidadão.

As cotas para mulheres são mais cretinas. Por quê? As moças têm hoje oportunidades iguais a dos homens (esta afirmação deve causar arrepios nos defensores de vantagens para as mulheres). As mulheres ocupam as universidades. Não há necessidade de cotas para elas. É claro que é politicamente esperto divulgar que está ajudando 50% da população (as mulheres), ganhando sua simpatia, enquanto os homens ficam se sentindo culpados por estarem ocupando lugares que deveriam ser delas. Eu acho que havia um critério de competência nesta discussão, mas foi abandonado. Este movimento por tratar mulher igual aos homens vai ser levado às últimas consequências? Mulher não pode mais chorar no escritório? Mulheres que obtêm vantagens por serem bonitas ou tirarem proveito de sua capacidade de seduzir devem devolver seus cargos? Isto vai ser proibido? Estas vão ceder sua parte da cota para aquelas menos dotadas que querem subir na vida?

A solução certa é dar melhor condições para todos, mas isso exige governo competente, com ou sem negros ou mulheres mandando. A educação reduz preconceitos e dá mais oportunidades. Melhor saúde também permite que as pessoas possam competir em condições mais igualitárias. Ganhar cargos ou empregos de mão beijada não faz ninguém crescer. Esmolas sociais devem ser explicitadas como tal. A competência, por definição, gera mais resultados a serem compartilhados por todos. É claro que um pouco menos de corrupção também ajudaria, mas é pedir demais.

Em tempo de cotas, gostaria de me apresentar para ocupar a cota de branco, velho, com boa formação. Alerto o pessoal senil da minha geração que é chegada a hora de lutarmos por nossos direitos. Aí galera, vamos à luta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.