E aí, comeu? Como era a relação de Lula e Rose

Polemikos segue o protocolo da imprensa de não se imiscuir na vida íntima dos governantes. É uma postura correta. O público e o privado devem ser separados. Aliás, esta distinção deveria ser a principal preocupação dos mandantes. Lula, o Apunhalado, devia ser mais atento a essas coisas do governo. Sua desatenção (belo eufemismo) pode ter sido o motivo de tantos malfeitos ocorridos no seu governo. E tome punhalada pelas costas. Alguns golpes dos grandes do PT vêm à tona agora, como o Mensalão e a Operação Porto Seguro. Quantos outros casos existem dos quais não tomaremos conhecimento?

Rosemary era cupincha de Lula. Viajava de lá pra cá a toda hora com o PR, como ela o chamava. Ficavam no mesmo hotel. Os jornais mostram a foto da moça a cada edição. Ela ainda dava um caldo. Pelos favores que Rose intermediou e sua atitude diligente, a moça provaveente seria capaz de enormes sacrifícios (talvez geradores de prazer, dependendo da competência do parceiro) para obter colocações em postos no governo e vantagens em grandes negócios. Até que ponto ela iria nos trabalhos de assessoria ao PR? Claro que Lula, o cegueta, não saberia de nada. O cara manteve- se idôneo. Se houve conversa de alcova, as sacanagens discutidas não devem ter passado pelo assunto “trambiques no governo”.

É claro que esta hipótese é um delírio inapropriado. Mas, e se?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.