Provence, França

veja este artigo mais atualizado no site Caderneta de Viagem (clique aqui)

Um passeio de carro por esta bela e charmosa região do sul da França. Realizada em janeiro de 2008. Se desejar ir direto para ver os artigos sobre cidades da Provence, siga os links: Gordes e Roussillon, Lourmarin e Cucuron, Saint-Rémy-de-Provence, Baux-de-Provence e Arles.

Provence

Preparativos

A Provence foi “descoberta” para o grande público através de um livro, curiosamente escrito por um inglês, Peter Mayle. Trata-se do famoso “Um Ano na Provence“. É leitura fundamental para quem vai se aventurar por aquelas bandas. O livro dedica um capítulo a cada mês do ano, descrevendo as peculiaridades da estação do ano. Mayle comenta os restaurantes da região e a relação do francês com sua cachaça, o pastis, que pode atingir níveis de teor alcoólico de inimagináveis 60%. O autor também explora o humor dos operários franceses conduzindo uma obra e descreve a famosa caça as trufas, a iguaria que se valoriza desde que sai do solo francês e pode acabar por produzir um prato especial em restaurantes finos do Rio custando a bagatela de R$300! O humor perplexo de um inglês frente à beleza, virtudes e exotismos dos franceses, torna o livro uma delícia. Mayle aproveitou o filão e escreveu vários outros livros sobre a Provence.

Para preparar a viagem, fiz a inevitável pesquisa no sábio Google. Por sinal, é impressionante como avança a tal globalização. Existe uma quantidade imensa de sites em Português com dicas, ofertas de hotéis, trocas de casas, excursões etc. Tem tanto que fica difícil achar aqueles sites que realmente nos ajudam.

Um site chamou atenção: o Provence&Beyond. É bom. Bem organizado, traz informações sobre todas as cidades da região. Podemos usá-lo para checar as dicas, ver fotos básicas das cidades e saber um pouco sobre a história dos lugares. Vale como referência geral.

Também é destaque o site Gira Mundo. É em Português. Jorge Bernardes, que mantém o site, tem um papo excelente. Dá para ler mesmo que você não vá viajar. Suas recomendações reforçaram que eu passasse por Gordes, e passei, entretanto, Moustiers-Sainte-Marie, uma recomendação enfática de Jorge, ficou para a próxima viagem.

Provence

Usei o Michelin Green Guide: Provence (Michelin Green Guides) ou seja, o Guia Verde da Michelin para Provence. É uma fonte clássica, mas que continua funcionando. Serve para ler sobre os lugares e sua história. Também usei Le Guide du Routard (traduzindo: Guia do Mochileiro). Tenho simpatia por este guia. Já utilizei em viagens pela Índia e Nepal. Gosto do estilo. Eles oferecem as sugestões classificadas conforme a disponibilidade financeira do viajante. A distribuição dos hotéis e restaurantes numa classifição “barato (bom marché)”, “preço médio (prix moyens)”, “chic” e “trés chic” é simpática e permite que a gente possa calibrar os gastos.

Google Maps é fonte interessante para ver estradas e distâncias entre as vilas a serem visitadas. Funciona bem para desenhar o caminho nos mapas da região de Provence. Uma característica de viagens pela Provence é você andar de uma cidadezinha para outra durante um dia de passeio. O recurso de “Como Chegar” do Google Maps é uma mão na roda. É só colocar a cidade de partida e onde você quer chegar e clicar o.k.: Voilá! Você tem um mapa com o traçado da viagem entre os dois pontos. Do lado esquerdo, a descrição detalhada dos pontos por onde passar. Nada de novo, mas tudo com a boa funcionalidade dos produtos Google!

A Provence é extremamente agitada no verão. Uma enxurrada de turistas ocupa os hotéis e cafés. Fui no inverno. Perdi a oportunidade de ver as cores da Provence. Os vinhedos estavam sem folhas. As plantações da colorida alfazema também não apresentavam sua famosa cor. Algumas vilas pequenas estavam literalmente fechadas. Nem um café havia para saciar o vício dos viajantes. O povo da região trabalha duro no verão e tira férias nessa época. Para não dizer que não há vantagens, as cidades estavam tranqüilas. Os estacionamentos vazios permitiam estacionar perto dos lugares de interesse. Os preços dos hotéis também estavam baixos em virtude da grande oferta de quartos disponíveis. Em tempo: tive sorte, todos os dias foram de céu azul com temperatura por volta de 13ºC.

O Trajeto

Ia utilizar o trem para chegar à Provence. O TGV (Train de Grande Vitesse) é uma grande pedida. Entretanto, uma amiga francesa decidiu ir conosco e fomos no seu carro. Tivemos carro todo o tempo na região. Por sinal, com um GPS, que já vem embutido no Opel Zafira em que viajamos, as coisas ficam muito mais fáceis. É fato que os mapas em papel vão perder muito mercado para o GPS.

Provence

As estradas francesas são de muito boa qualidade. As paisagens na viagem para o sul são lindas. Plantações muito bem cuidadas e castelos compõem a vista. Não há outdoors nas estradas, só a beleza da natureza e da arquitetura. As paradas são distribuídas em intervalos médios de 40 km. São bem melhores que as paradas americanas. Costumam ter áreas com mesas para piquenique, que, por sinal, é um hábito do francês quando viaja de carro. Compra-se bom pão, patê, queijo e salame, e faz-se uma festa ao ar livre com baixíssimo custo. Experimentem.

O viagem final ficou assim:

Paris – Lyon: (veja o mapa) uma estirada de quatro horas para chegar ao meio do caminho entre Paris e Provence. Lyon impressionou muito bem. O lugar é extremamente simpático, isso combinado com a companhia dos amigos franceses que nos acompanharam tornou a visita inesquecível.

Lyon – Cucuron: Outras quatro horas. Cucuron é uma pequena cidade, que fica perto (8 km) de outra pequena cidade chamada Lourmarin, que ficam perto de muitas outras da Provence, tais como Gordes e Aix-en-Provence. Ficamos em casa de outros amigos que residem em Cucuron. Infelizmente, não terei dicas de hotel para passar a vocês. Visitamos Gordes e Roussillon a partir de Cucuron. Uma caminhada a pé por Le Luberon, os morros que demarcam a região, foi uma experiência à parte.

Cucuron – Graveson: Esta viagem mudou o foco da viagem para o lado oeste da Provence. Usei a estadia num hotel em Graveson para visitar Avignon, Saint-Rémy-de-Provence, Les-Baux-de-Provence e Arles. As cidades estão próximas. Veja no mapa.

[Gustavo Gluto]
Copyright © [Polemikos]. Todos os direitos reservados.



56 thoughts on “Provence, França”

  1. Boa Eduardo! Parabéns pelo site! Fica muito mais fácil organizar uma viagem com as dicas dadas por quem já fez a viagem. Estou organizando minha lua de mel para junho de 2012 e gostaria de dicas sobre “cidades bases” na Provence e a partir delas conhecer os arredores, no máximo 3 cidades. Estava considerando 5 a 6 noites para essa região, o que você acha? Obrigada, Paula

  2. Olá ! Excelentes dicas no site, parabéns.
    Viajo no inicio deste dezembro com esposa e filho de onze anos. A idéia é uma semana em Barcelona, pegar um trem até Montpellier (o trem chega a noite entao preciso pousar 1 dia em algum hotel), alugar um carro no outro dia bem cedo e entao subir até Aix en Provence (pousar 1 dia?), e seguir até Nice onde aluguei um apto por mais alguns dias. Acreditam que vale a pena ? Mudariam algo ? Nao localizei trem direto para Aix. Tenho receio de nevadas, e como estou com criança pequena, que tem asma, preciso de relativa infra estrutura.
    Obrigado e desde já parabéns pelo excelente site e dicas.
    Eduardo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.