Arquivo da tag: análises

Por que respeitar as Igrejas?

O filme A Paixão de Cristo, de Mel Gibson, é o assunto do momento. O filme é extremamente violento e gasta toneladas de ketchup para mostrar, com muito sangue, o tormento de Jesus. Também cria polêmica e foi tachado de anti-semita ao mostrar os judeus como responsáveis ou, com participação ativa, no papel de mandar Jesus para a cruz. De um modo ou de outro, Gibson consegue ser falado. A besteira do sangue tira minha motivação para perder tempo vendo sofrimento por duas horas. A exposição de judeus – maculando sua imagem de eternos sofredores e perseguidos, por sinal, muito bem administrada pela indústria cinematográfica, cujo controle está com o capital judeu – gerou logo reação. É normal. Mas minha intenção não é falar da obra do cristão ortodoxo Mel Gibson. Só de falar em ortodoxo fico todo arrepiado e o estômago embrulha.

Pra ser sincero, estou pouco me lixando para os aspectos religiosos do filme. É apenas mais um negócio, um investimento, e quanto mais polêmica a obra criar, mais retorno financeiro vai produzir. A rigor, o assunto todo não me interessa. Indo mais fundo ao ponto: Religião não me interessa e tenho verdadeira repulsa a este ramo de negócio onde atuam um sem número de empresas vulgarmente chamadas “Igrejas” que, descaradamente, vendem aos incautos a intermediação com o divino. Um cretino poderia dizer que as Igrejas têm atividade social importante buscando manter quietos os pobres de espírito e de bolso. Mas pra que serve dar atenção e dinheiro a estas empresas, entre as quais as modernas caça-níqueis chamadas Igrejas Evangélicas? Elas estão falhando na atividade mais importante que lhes cabe: manter os miseráveis quietos e permitir que a classes média e alta usufruam de sua confortável qualidade de vida sem serem importunadas pelos “menos afortunados”, que quer dizer “os de menor fortuna”, ou seja, “os pobres”. A carência humana, que não consegue entender sua existência sem apelar para inventar deuses, é explorada por estes estelionatários das Igrejas que vendem sua intimidade com Deus com a mesma competência que seus colegas menos espertos vendem para os otários terrenos no meio da Lagoa Rodrigo de Freitas. Ainda chegará o dia em que o Procon vai cair em cima dessas empresas.

O golpe de “vender Deus” vem de longa data e as Igrejas estão bem estruturadas. No quesito sobrevivência empresarial, por exemplo, elas mostram rara competência. Percebendo que a melhoria das condições da sociedade diminui seu mercado, se esforçam para ampliar sua base de consumidores, agindo com eficiência para instalar o caos, e aumentar o número de ignorantes. Vejam o que acontece com o controle de natalidade no Brasil. O país precisa reduzir seu crescimento demográfico de modo a compatibilizar sua população com o crescimento da riqueza que conseguimos gerar. Menos filhos proporcionariam mais oportunidades de trabalho e educação para eles. Mas, o que acontece? Os rebanhos de carolas e crentes em geral, fertilizados pela oposição que toda Igreja faz ao planejamento familiar, geram um filho depois do outro. As meninas, parindo a partir dos 13 anos, são proibidas pelas Igrejas de fazer abortos. A camisinha é criticada pela Igreja Católica. Resultado: o Brasil vê crescer um exército de sem comida, sem casa, sem trabalho, prontos para serem manipulados pelas Igrejas. Como o mundo está cheio de espertos, os políticos, diretamente representando as organizações religiosas ou apenas pegando o barco da manipulação dos miseráveis, se juntam ao esquema e passam a defender os interesses das Igrejas, impedindo leis mais razoáveis e praticando o paternalismo político, com destaque para restaurantes de R$1,00.

Vou sair de minha quieta indignação e propor ao Tirésias da Silva, se ele sair candidato na próxima eleição, que defenda a colocação das Igrejas na ilegalidade. Vamos aproveitar o fechamento dos bingos e fechar este monte de templos legalizados que dão prejuízo social ao país. Meu amigo, quer rezar? Fique à vontade, mas vai rezar na informalidade de sua casa. Fica com Deus!