Boas maneiras e modos

Boas maneiras são mais importante que leis… Os modos são o que irrita ou acalma, corrompe ou purifica, exalta ou deprecia, brutaliza ou refina, através de uma constante, estável, uniforme, insensível operação, como o ar que respiramos.

de Edmund Burke (1729–1797), filósofo irlandês, governante. do livro Letters on a Regicide Peace (1796).

Estava buscando no site dictionary.com e achei esse “quotation”. Not bad!

A Morte do Subjuntivo

Inspiro-me no artigo de João Ubaldo, em O Globo desse domingo (07.06.09). O escritor tem escrito sobre a depredação que a língua portuguesa vem sofrendo. Solidarizo-me com o nobre colega. Tá danado! Depois do vírus do telemarketing, que espalhou o gerundês pelo país todo, outras epidemias continuam o ataque ao idioma. De uns tempos pra cá, observo a deterioração desse interessante tempo verbal: o Subjuntivo. Ele estava moribundo. Continue lendo “A Morte do Subjuntivo”

não tem tramela, é sem gelosia

Chico Buarque estava afiado quando da escolha das palavras da letra de sua música Flor da Idade:

A gente faz hora, faz fila na vila do meio dia / Pra ver Maria / A gente almoça e só se coça e se roça e só se vicia / A porta dela não tem tramela / A janela é sem gelosia / Nem desconfia / Ai, a primeira festa, a primeira fresta, o primeiro amor

Chamava atenção o uso das palavras tramela e gelosia. Continue lendo “não tem tramela, é sem gelosia”