Todos os posts de admin

e Woody Allen gosta (e recomenda) Machado de Assis

Numa lista de livros que Allen considera especiais para ele, em que ele inclui O Apanhador no Campo de Centeio, de Salinger, o cineasta surpreende indicando um livro de Machado de Assis. Vá ser sofisticado assim em Manhattan. Segue o trecho da entrevista onde ele faz o comentário:

Let’s turn to a comic novel written in 1880 by Brazil’s Machado de Assis. Tell us about it and how you came to love this work.

Well, I just got it in the mail one day. Some stranger in Brazil sent it and wrote, “You’ll like this.” Because it’s a thin book, I read it. If it had been a thick book, I would have discarded it.

I was shocked by how charming and amusing it was. I couldn’t believe he lived as long ago as he did. You would’ve thought he wrote it yesterday. It’s so modern and so amusing. It’s a very, very original piece of work.

Escrita Aleatória

É maneira de passar o tempo. O equivalente escrito de ler mecanicamente sem prestar atenção no sentido do texto. As palavras vão surgindo, se alinhando nas frases como jorro irresponsável. Até pode acontecer de algo valer a pena. Algum senso ou falta dele que mereça uma reflexão. A procura das palavras certas é sofrida. Elas aparecem, ou esbarram na busca por um fio de prosa, como pessoas apressadas na calçada da avenida. Levo cotoveladas de significados promissores que se esvaem assim que digito suas letras. Se pelo menos essa prática fosse eficiente em trazer o sono. Longe disso. Quanto mais disparatada vai ficando a monótona ladainha (há ladainha animada?) que vou criando, mais desperto fica o incauto pretendente a produzir um escrito. Vontade mesmo é de fechar o editor de texto e render-se ao prazer solitário de um joguinho do computador. Ficar ali mesmerizado (gosto dessa palavra, não consigo resistir a inseri-la aqui), olhos acompanhando os dedos nas perfeitas imagens inventadas do passatempo digital. A esperança. Há um traço de otimismo que acredita na produção da qualidade. Algo como uma alquimia literária que gere o texto precioso pela infinita repetição do ato de enfileirar letras. Acredita-se em tanta coisa. Por que não?

Capitão Phillips [Captain Phillips] Paul Greengrass

Bom filme de tensão. A pirataria na costa da África existe. É apresentada de maneira convincente. Tom Hanks tem desempenho adequado para a situação limite enfrentada pelo capitão do navio. Espetacular é o ator Barkhad Abdi, nascido na Somália, de família que emigrou para os EUA fugindo da guerra civil. Barkhad interpreta o líder dos sequestradores, Muse. Ele parece absolutamente possuído pelo personagem. Boa parte da tensão, maior qualidade do filme, se deve a sua interpretação.

A atuação dos SEALS, tropa de elite da marinha americana, cumpre o papel de reforçar a competência militar americana para ações anti-terrorismo. Os EUA precisam desse estímulo hoje em dia.

Atenção para a interpretação de Tom Hanks no final do filme, coroando as situações críticas por que passou o atribulado capitão Phillips.

Você pode sentir amor e desejo pela mesma pessoa?

Ester Perel discute o assunto em seu post, publicado pelo HuntPost. Ela começa apresentando instigantes questões. Passo essas inquietações a vocês:

– Por que o bom sexo sempre acaba, mesmo em casais que se amam tanto quanto antes?

– Por que a intimidade não garante um bom sexo?

– Podemos querer aquilo que já temos?

– Por que a transição para a paternidade/maternidade traz a queda do erotismo no casal?

– E por que o proibido é tão erótico?

– Quando você ama, como você se sente, e quando você deseja, como isso é diferente?

Boas perguntas!